Luminárias LED na iluminação pública: conheça 5 vantagens dessa tecnologia

A cidade de Palhoça, na Grande Florianópolis, já aproveita os benefícios de ter 100% das vias modernizadas


O uso de luminárias em LED na iluminação pública marca uma nova era na prestação desse serviço essencial. Elas oferecem um desempenho formidável em comparação com as lâmpadas de descarga convencionais, pois aliam tecnologia, economia e sustentabilidade.

Palhoça, na Grande Florianópolis é um bom exemplo de como essas características beneficiam a população e a administração municipal. A cidade de cerca de 180 mil habitantes conta com iluminação 100% LED nas vias públicas desde novembro do ano passado. A substituição das luminárias, nos mais de 27 mil pontos de iluminação de Palhoça, é um dos principais projetos de modernização previstos no contrato de Parceria Público Privada (PPP), entre a prefeitura e a QLuz.


Somente por usar LED no lugar das lâmpadas de descarga, a Prefeitura pode garantir economia em torno de 62% com os gastos de energia elétrica do sistema de iluminação pública, além de manter ruas e praças mais bem iluminadas e seguras. O projeto de modernização em Palhoça também prevê a implantação de telegestão em 100% das luminárias LED, permitindo o monitoramento e controle remoto do parque de iluminação pública.

Conheça agora 5 vantagens das luminárias em LED na iluminação pública em comparação com as convencionais. Você vai se surpreender com a superioridade em todos os aspectos!

1. Eficiência energética e economia

A eficiência energética das luminárias em LED é incomparável em relação às de descarga. O LED é um diodo semicondutor, que permite a conversão de energia elétrica diretamente em energia luminosa. Como não precisa de filamentos, cerca de 95% da energia se transforma em luz, de modo que somente 5% se perde em calor.

Já as lâmpadas de vapor de mercúrio, vapor de sódio e vapor metálico – com funcionamento parecido – dissipam muito calor no processo. Isso porque nelas a luz é gerada por meio de descarga elétrica, ao qual incide sob gases em um tubo de vidro. Nesse sentido, o acendimento depende de filamentos e reatores que esquentam, e podem transformar mais da metade da energia elétrica em calor.

Portanto, as luminárias em LED precisam de bem menos energia para iluminar. Aí está a eficiência energética! Por conta desse diferencial, a substituição das luminárias convencionais por de LED na iluminação pública pode gerar uma economia superior a 60% no consumo de energia elétrica, impactando diretamente no valor da fatura.

2. Sustentabilidade

A sustentabilidade é uma grande marca da tecnologia LED. Por conta da eficiência energética, o LED deixa de lançar uma significativa quantidade de CO2, gás causador do efeito estufa, na atmosfera.

Uma luminária de LED, por exemplo, pode evitar a emissão de 0,4 toneladas de dióxido de carbono na atmosfera. Agora veja: a iluminação pública chega a responder por 25% das emissões de CO2 no mundo.

Além de ajudar a reduzir a emissão de CO2, o LED tem outra vantagem ecológica: ser uma tecnologia totalmente limpa. Desse jeito, ele não polui o meio ambiente por ser livre de metais pesados. Além disso, 98% de seus componentes são recicláveis.

Por sua vez, as luminárias tradicionais utilizam gases tóxicos nocivos ao meio ambiente. Assim, seu descarte incorreto pode contaminar o solo. Por isso, devem ser encaminhadas a empresas especializadas em descontaminação na hora do descarte.

3. Visibilidade

Diversos fatores fazem da luminária em LED muito superior em relação às suas antecessoras no quesito visibilidade. Antes de mais nada, possuem luz branca, importante para despertar maior atenção.

Além disso, alcançam um alto índice de reprodução da cor (IRC). Por exemplo, enquanto essa tecnologia entrega 70% de IRC, uma lâmpada de mercúrio, amarelada, oferece 30%. Portanto, a primeira reflete as cores com maior fidelidade.

As luminárias em LED também têm um raio de iluminação maior e mais assertivo. Em outras palavras: a luz é direta e proporciona maior foco. Por outro lado, uma lâmpada de vapor metálico, por exemplo, irradia em 360°, e espalha parte da luz para as regiões superiores e laterais.

Agora, você deve estar se perguntando, e qual a diferença que um maior raio e foco faz? Isso ajuda, digamos, ao motorista perceber o perigo com antecedência. Por isso, podemos dizer que o LED na iluminação pública representa maior conforto, mas principalmente segurança física, patrimonial e de trânsito.

4. Durabilidade

A vida útil das luminárias LED é espetacular em comparação com as tradicionais. A nova tecnologia possui aproximadamente 65 mil horas de durabilidade, ou seja, cerca de 12 anos de uso. Um tempo incrível, passando do dobro de vida útil de outros tipos. No caso das lâmpadas de vapor metálico, a duração chega a ser quatro vezes superior.

E por que existe essa enorme diferença? São inúmeros fatores. Mas um deles é porque as luminárias em LED não emitem raios UV, diferente das luminárias convencionais.

As luminárias em LED exigem menos manutenção e substituições. Por dois motivos: a já citada super durabilidade e pela alta resistência a impactos. Isso traz diversos benefícios, como economia em materiais e menor necessidade de mão de obra. Portanto, reflete em um menor custo para manter o sistema.

5. Interatividade

O LED permitiu revolucionar o controle da iluminação pública. Essa tecnologia facilitou a introdução da interatividade no monitoramento remoto dos parques de iluminação, melhorando a eficiência e qualidade dos serviços prestados aos cidadãos.

No telemonitoramento, dispositivos eletrônicos são acoplados às luminárias em LED. Assim, esses módulos se comunicam por rede sem fio a um Centro de Controle Operacional (CCO) por meio de um software. Com isso, é possível ligar e desligar as luminárias, identificar falhas e fazer a dimerização (controle de fluxo de luz e de consumo de energia) em tempo real. Na configuração antiga, as luminárias de vapor de descarga são ligadas e desligadas com uso de relés fotoelétricos acoplados a elas.

Esses dispositivos ativam e desativam o circuito conforme a iluminação natural. Além disso, essas lâmpadas levam de quatro a seis minutos para acenderem depois de acionadas. No caso do LED, esse procedimento é instantâneo. O consumo é monitorado por estimativas e a detecção de falhas depende de rondas e da colaboração da população pelo teleatendimento.


Fonte: Floripa News/ SC 27/01/2022

18 visualizações0 comentário